Entrevista SABER VIVER – Junho 2020 – O que é Doce Nunca Amargou!

Entrevista SABER VIVER – Junho 2020 – O que é Doce Nunca Amargou!

[Entrevista completa]

  1. A doçaria portuguesa é realmente muito calórica?

 Fazendo parte da História e Cultura de Portugal, a doçaria portuguesa possui duas origens: a doçaria conventual, que como o nome indicada era produzida por freiras e frades nos conventos portugueses e a doçaria popular, produzida pelo povo, em ambiente rural, para festas e romarias. A principal diferença entre ambas, reside nos ingredientes utilizados, sendo a doçaria conventual muito mais calórica devido às maiores quantidades de açúcar utilizadas. Por sua vez, por na altura, não terem tanto acesso aquele ingrediente, a doçaria popular baseia-se principalmente em receitas com maior quantidade de farinha do que o açúcar, poucos ovos e, por vezes, frutos secos locais. Único requinte é a utilização de canela ou erva-doce.  Verdadeiramente deliciosa, a grande maioria da doçaria conventual portuguesa é composta por quantidades excessivas de açúcar, ovos e amêndoas. Por isso sim! A doçaria portuguesa é extremamente calórica!!!

  1. Que conselhos pode dar para um consumo moderado e menos prejudicial possível?

Como em tudo na vida, a palavra-chave na alimentação é o equilíbrio. O seu consumo de forma moderada e ocasional não irá trazer complicações à nossa saúde e nos irá sempre deixar com muita água na boca! De forma ocasional, podemos consumir um produto mais calórico e açucarado, uma vez, quinzenalmente. Por outro lado, podemos sempre fazer alterações às receitas originais, de forma a utilizar produtos mais ricos nutricionalmente e reduzir a quantidade de açúcar, reduzindo deste modo o valor calórico.  

  1. É possível reduzir o açúcar usado ou nem sempre nas receitas mais tradicionais?

Nas receitas em que envolve o processo de calda de açúcar pode ser mais desafiante, mas mesmo nesse caso a calda de açúcar pode ser substituída por calda de agave, por exemplo. Apesar de este também possuir açúcar (na forma de frutose), o seu poder adoçante é superior ao do açúcar, pelo que a quantidade utilizada poderá ser menor! Relativamente ao tipo de açúcar, também podemos alterá-lo para tipos menos refinados do que o tradicional açúcar branco. Açúcar Mascavado, açúcar de coco, açúcar de cana integral e rapadura são alguns exemplos de tipos de açúcares menos refinados. A quem ainda quiser diminuir mais a quantidade de açúcar, a utilização de adoçantes naturais como a stevia também poderá ser uma boa opção!

  1. A escolha da farinha também é importante para os tornar mais “saudáveis”.

Sim! Tal como no açúcar, devemos escolher farinhas menos refinadas. No caso do trigo podemos optar por farinha de trigo integral e no caso de outras alternativas, a farinha de aveia integral, farinha de quinoa, farinha de milho, farinha de arroz, farinha de linhaça ou farinha de coco, podem ser boas opções. Uma dica importante na escolha das farinhas é verificar a quantidade de fibra existente no rótulo: a farinha deverá conter mais de 3g de fibra por cada 100g de produto. Quanto mais fibra existir, menos refinado é a farinha!

 

  1. Que informações nutricionais pode dar de doces, como o pastel de nata, os ovos mole de Aveiro, o Pudim Abade Priscos, arroz-doce, toucinho-do-céu, pão de lõ de Ovar, fálgaros, fogaças. Qual será o menos calórico?

 O pastel de nata, os ovos moles, o Pudim Abade Priscos, o arroz-doce, o toucinho-do-céu, o pão-de-ló de ovar, fálgaros e fogaças são doces tipicamente conventuais, em que os ingredientes predominantes são o açúcar e as gemas de ovos. No entanto, existem diferenças nos restantes ingredientes e no tipo de preparação/ confeção consoante a sua região/ convento de origem. São assim caracterizados nutricionalmente por grandes quantidades de açúcar, mas também por aminoácidos essenciais, cálcio, magnésio, vitaminas do complexo B e gordura saturada. Em termos calóricos, por 100g os doces conventuais fornecem entre 200 a 400 Kcal! O que é muito excessivo! No entanto, tudo vai depender da quantidade ingerida. O pastel de nata tem um peso mais reduzido que os restantes, e por esse motivo por unidade, é o que apresenta um menor valor calórico relativamente aos restantes doces de pastelaria. Com um peso aproximado de 70g, uma unidade de pastel de nata irá fornecer 214 Kcal. O mesmo acontece com os ovos moles de aveiro. Se conseguirmos comer apenas uma unidade iremos ingerir apenas 70 Kcal! Por outro lado, uma taça de Arroz Doce já andará à volta das 390 Kcal.

[Excerto da entrevista “O que é doce nunca amargou – junho 2020 – revista saber viver]

“A doçaria portuguesa é calórica, sobretudo a conventual, mas Adriana Sales, nutricionista do Serenity Spa – The Art of Well Being, ensina alguns truques para reduzir o açúcar: “O processo de calda de açúcar pode ser mais desafiante, mas mesmo nesse caso pode ser substituída por calda de agave. Apesar de este também possuir açúcar (na forma de frutose), o seu poder adoçante é superior ao do açúcar, pelo que a quantidade utilizada poderá ser menor. Relativamente ao tipo de açúcar, também podemos alterá-lo para tipos menos refinados do que o tradicional açúcar branco, tais como açúcar mascavado, de coco, de cana integral e rapadura. Para quem quiser diminuir ainda mais a quantidade de açúcar, a utilização de adoçantes naturais como a stevia também poderá ser uma boa opção.”

 

Muito Obrigada pela vossa atenção,

Mantenham-se seguros e saudáveis!

Adriana Sales, Nutricionista

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *